quarta-feira, 12 de março de 2008

Leitura

Gostaria compartilhar com vocês algumas reflexões acerca da leitura, memória, e produção textual na vida de todos nós.
Lembro que tive o prazer da leitura despertado por uma professora primária que me incentivava a ler, fazia rodas de leitura na sala de aula, ou mesmo debaixo de uma árvore frondosa no pátio, sempre me emprestava livros e não tinha pressa para que devolvesse e o que mais gostava é que ela não cobrava resumos, reescritas, lia por prazer. Bem, hoje sou Professora de Língua Portuguesa e estudante de Letras, sou uma educadora que tenho o desejo de mudança, o desejo de fazer com que meus alunos encarem o livro como fonte de prazer e enriquecimento cultural.
Ruth Rocha disse que "ler é tão gostoso como namorar" e acredito que ela tem toda razão, desde que possamos ler aquilo que nos agrada sem imposições e cobranças pragmáticas.
Nós professores precisamos refletir de que forma a leitura tem sido passada para nossos alunos, devemos começar transformando a leitura numa atividade livre, tudo que fazemos por obrigação tende a ficar chato, sugiram que seus alunos falem sobre os livros que leram ou até escrevam a respeito, mas lembre-se que essas atividades devem ser opcionais, sem exigências.
É preciso que enquanto educadoras nos empenhamos mais, é necessário que estejamos sempre buscando novas informações, e principalmente é preciso ler mais, caso contrário “o desejo de mudança” será utópico, será irreal. Que tal começar mostrando a seus alunos que através dos livros pode-se descobrir delícias que nem imaginavam, gostosuras fantásticas, prazeres incríveis.Quem sabe venham a descobrir que um bom livro pode ser uma boa companhia Acredito que o livro deve ser visto como fonte de prazer e conhecimento.
Partindo de minhas próprias experiências posso reportar a minha memória de leitor, a qual considero fundamental para reler situações de minha vida. Desde cedo aprendi que mais importante do que decodificar o que está escrito, é dar um sentido ao que leu, é preciso usar a imaginação, os conhecimentos. “A leitura de mundo” é sem sombra de dúvida muito importante no desenvolvimento da leitura da palavra. Lembro-me com imensas saudades de algumas histórias que li, dos contos de Grimm de historias que vim a conhecer. Recordo as viagens que fiz a França em “Os miseráveis” ou para a África em “A morte ronda o Kalahari” e de como me senti detetive ao ler “Droga do amor”, e “A droga da obediência”, como fui a adolescente apaixonada de “A marca de uma lágrima” ou a mulher madura e decidida de “Na margem do Rio Piedra eu sentei e chorei”, o quanto fiquei curiosa para saber se Capitu traiu ou não Bentinho, e do quanto chorei quando a cachorra Baleia foi sacrificada. Com os livros eu vibrei, chorei me decepcionei, contudo aprendi tantas coisas.
Concordo com Fanny Abramovich (...) “ser leitor é ter um caminho absolutamente infinito de descobertas e compreensão do mundo”.

5 comentários:

Ronaldinho disse...

Ler é um dom, que temos que usar sempre, pois ele não tem fim, quem sabe ler sabe viver melhor


http://www.escrevendodemusica.blogspot.com/

Nome: Ben disse...

Parabens
Voce escreve mt bem
;)
Ben

Euzer Lopes disse...

Leitura...
Quando leio um post assim, tenho certeza que há esperança!

Hugo disse...

Ler, interpretar e escrever...escrever palavras finas e boas como estas...parabéns pelo blog...

beijão

[Red Skin] disse...

poxaa
eu concordo!
ler é mto bom! necessário!
pena q as gerações q estão vindo se fixem mais na televisão do que nos livros.

ótimo blog
gostei mto

tchau