quarta-feira, 9 de abril de 2008

Aquilo






Esse conto de Ricardo Azevedo é muito interessante pra trabalhar com:
O respeito aos diferentes pontos de vista;
A importância de consensos
Relação da linguagem verbal e a não-verbal


O professor pode dividir a sala em grupos e entregar o texto "Aquilo"
Pedir aos alunos para refletir a respeito de quem é aquilo?O que aquilo faz? De onde aquilo veio? etc


Pode pedir para representar aquilo através de imagens. E a partir daí trabalhar a linguagem não-verbal.






AQUILO

Quando aquilo apareceu na cidade, teve gente que levou um susto.
Teve gente que caiu na risada.
Teve gente que tremeu de medo.
E gente que achou uma delícia.
E gente arrancando os cabelos.
E gente soltando rojões.
E gente mordendo a língua, perdendo o sono, gritando viva, roendo as unhas, batendo palma, fugindo apavorada e ainda gente ficando muito, muito, muito feliz.
Uns tinham certeza de que aquilo não podia ser de jeito nenhum.
Outros também tinham certeza. Disseram: — Viva! Que bom! Até que enfim!
Muitos ficaram preocupados. Exigiram que aquilo fosse proibido. Garantiram que aquilo era impossível. Que aquilo era errado. Que aquilo podia ser muito perigoso.
Outros, tranqüilos, festejaram, deram risada, comemoraram e, abraçados, saíram pelas ruas, cantando e dançando felizes da vida.
Alguns, inconformados, resolveram perseguir aquilo. Disseram que aquilo não valia nada. Disseram que era preciso acabar logo com aquilo ou, pelo menos, pegar e mandar aquilo para bem longe.
Muitos defenderam e elogiaram aquilo. Juraram que aquilo era bom. Que aquilo ia ser melhor para todos. Que esperavam aquilo faz tempo. Que aquilo era importante, bonito e precioso.
Alguém decidiu acabar com aquilo de qualquer jeito.
Mas outro alguém disse não!
E foi correndo esconder aquilo devagarinho no fundo do coração.



(Ricardo Azevedo)




Aquilo para meus alunos do estágio é: